• Image

Você está aqui » Foco na Pele » Câncer de Pele

Tudo sobre Câncer de Pele

A incidência de câncer de pele, o melanoma, em particular, tem aumentado substancialmente ao longo das últimas décadas. O conhecimento sobre a detecção precoce dos sintomas do câncer de pele são essenciais. A ceratose actínica (QA) é o sinal de alerta mais comum de câncer de pele em pessoas de pele clara. O carcinoma basocelular (CBC) é o câncer de pele não-melanoma mais comuns. Câncer de pele afeta principalmente as áreas que tenham sido expostas ao sol.

Resumo da doença


Descrição

Câncer de pele é um termo geral para doenças nas quais as células da pele perdem o controle sobre como eles crescem e se proliferam. Existem vários tipos diferentes de câncer da pele, dependendo de quais células estão envolvidas.

Estas células da pele incluem queratinócitos presentes por toda a epiderme e melanócitos presentes na camada basal, entre os queratinócitos.

 Quando os melanócitos se tornam cancerosos, isso leva ao melanoma. O melanoma é relativamente raro, mas é o tipo mais grave de câncer de pele.

Outros tipos de células da pele podem também se transformar em células cancerosas. A transformação de células basais provenientes de folículos pilosos conduz ao carcinoma basocelular (CBC), e a transformação de células escamosas provenientes da camada superior da pele - a epiderme conduz ao carcinoma espinocelular (CEC). Estes dois tipos de câncer de pele são coletivamente referidos como câncer de pele não melanoma. O CBC é a forma mais comum de câncer de pele, mas muito raramente leva à doença grave, porém pode progredir e invadir outras partes do corpo, tornando-se potencialmente muito grave. O CEC é menos comum, mas o risco de metastase é de até 16%.

Diagnóstico

Cada tipo de câncer de pele tem uma aparência diferente. Um dermatologista pode ser capaz de fazer um diagnóstico simplesmente pelo exame da pele. A dermatoscopia, uma técnica que envolve um instrumento portátil que amplia a superfície da pele, pode ajudar a diferenciar o câncer de pele de outras doenças; em alguns casos, o médico fará uma biópsia e avaliação histológica da pele para confirmar o diagnóstico. Quando detectado precocemente, o câncer de pele é muitas vezes tratado com uma elevada taxa de sucesso, por isso o diagnóstico precoce é muito importante para os dois tipos de câncer de pele, melanoma e não melanoma. O melanoma é a forma mais grave de câncer de pele, por isso é especialmente importante que possa ser diagnosticado com precisão. Muitos pacientes em risco para melanoma terá manchas em seu corpo que não são perigosas, mas que pode ser parecido com melanoma para o olho destreinado. Os médicos têm várias ferramentas à sua disposição para diagnosticar corretamente um caso de melanoma, mas é importante estar atento ao surgimento de novas manchas de aparência suspeita para que possa informar o seu médico o mais cedo possível. Os ''ABCDEs" de melanoma descrevem os aspectos fundamentais de uma lista fácil de lembrar: (Mackie 2009)

A

Assimetria

B

Borda Irregular

C

Variação de Cores

D

Diametro  > 6 mm

E

Características Evolutivas

Manchas que podem ser potencialmente melanoma são assimétricas, têm uma borda irregular, têm colorações variadas, são relativamente grandes (> 6 mm), ou mudam de aparência. Se você perceber um ou mais manchas suspeitas converse com seu médico se estas podem ser melanoma.

Para o câncer de pele não melanoma, os principais sinais são: (ACS 2007)

  • Novos crescimentos
  • Manchas que ficam maiores
  • Feridas visíveis que não cicatrizam após 3 meses

MENSAGENS-CHAVE:

FATOS IMPORTANTES SOBRE O CÂNCER DE PELE DA ACS 2007:

  • Estar ciente das lesões suspeitas pode ajudar a procurar aconselhamento médico quando apropriado
  • Nem todos os tipos de câncer de pele são os mesmos! Alguns são relativamente comuns, mas não apresentam riscos graves, enquanto outros são relativamente raros, mas são perigosos se não tratados
  • Limitar a exposição da pele desprotegida ao sol pode ajudar a reduzir suas chances de desenvolver câncer de pele
  • Se o câncer de pele ocorrer, a detecção precoce é a melhor defesa. Câncer de pele pode ser tratado com êxito na maioria dos casos, até mesmo tipos graves da doença como o melanoma.

Fatores de Risco

A exposição aos raios solares UV aumenta o risco de desenvolver câncer de pele. No caso de melanoma, a exposição infantil parece ser especialmente importante. Elevada exposição solar antes dos 10 anos, aumenta o risco de desenvolvimento futuro de melanoma. Alguns tipos de câncer de pele não melanoma ocorrem principalmente em áreas que recebem mais luz solar, mostrando a importância da exposição solar nestes tipos de câncer também.

Para melanoma, outros fatores de risco incluem:

Histórico familiar

 

· Pessoas com histórico familiar de melanoma são mais propensas a desenvolver a doença, o que, em alguns casos, pode implicar uma predisposição genética

Exposição

· Pessoas que tiveram bolhas de queimaduras grave ou se expuseram muito ao sol (especialmente antes dos 30 anos) têm maior probabilidade de desenvolver melanoma

· Pessoas com exposição a alguns pesticidas estão potencialmente em risco aumentado

Tipo de pele

 

· Pessoas com pele clara ou branca, especialmente aqueles com cabelos ruivos ou loiros, são mais suscetíveis a desenvolver melanoma

·  Número de nervos / nervos displásicos

Número de lesões

 

· Pessoas com maior número de lesões na pele, especialmente aqueles anormais, correm um maior risco de melanoma

Para o câncer de pele não melanoma, outros fatores de risco incluem:

Tipo de pele:

 

· Como com melanoma, pessoas com pele clara são mais propensas a desenvolver câncer de pele não melanoma

Histórico Familiar

· Câncer de pele não melanoma também mostra uma predisposição genética e o histórico familiar pode aumentar o risco

Idade

· As pessoas mais velhas estão muito mais propensas a desenvolver câncer de pele não melanoma

Sexo Masculino

 

· Os homens são mais propensos a desenvolver câncer de pele não melanoma do que as mulheres

Lesões cutâneas pré-cancerosas

 

· Pessoas que tiveram lesões na pele que não eram cancerosos, mas tiveram o potencial para evoluir para o câncer, são mais propensos a desenvolver câncer de pele não melanoma

Inflamação crônica

· As pessoas que têm condições que resultam em inflamação crônica da pele têm um risco aumentado de câncer de pele não melanoma

Imunossupressão

· As pessoas que têm um sistema imunológico debilitado (por exemplo, pacientes transplantados fazendo uso de medicamentos imunossupressores para evitar a rejeição aos órgãos transplantados) são mais propensas a desenvolver câncer de pele não melanoma.

Radiação ionizante

 

· Pessoas com aumento a exposição à radiação (como raios X) ionizantes são mais propensas a desenvolver câncer de pele não melanoma


Este é um site focado em educar o público e pacientes sobre as condições da pele e os diferentes tipos de tratamentos que estão disponíveis para gerenciar essas doenças. As informações contidas neste site servem unicamente para ajudá-lo a entender melhor as doenças de pele, visando auxiliar a comunicação entre você e seu o seu médico.


 

 


Descubra mais sobre a Galderma e outras inovações.

Notificación | Galderma

Responsabilidade corporativa

Crescendo como uma comunidade dermatológica responsável

Descubra algumas das iniciativas positivas em que estamos envolvidos em todo o mundo.

MAIS +